quinta-feira, 2 de julho de 2015

UMA EM CADA CINCO MULHERES SERÁ ESTUPRADA


No entanto, até as mais respeitadas instituições - escolas, igrejas, universidades, famílias - varrem a violência sexual para baixo do tapete. Por quê? E até quando? Por quê o estupro é o mais acobertado dos crimes?

São estas as perguntas acima que a reportagem de capa da revista Superinteressante deste mês busca responder.

A revista entrevistou especialistas, personagens e usou uma das histórias mais chocantes para divulgar esta edição no Facebook -- e criou a hashtag #ChegadeSilêncio para fazer com que pessoas que passam pelo mesmo problema não silenciem mais esta violência.

Em um post no Facebook oficial, é contada a história de Luci, uma mulher que foi obrigada a casar com seu estuprador para recuperar sua "honra" e apanhou durante a vida toda, junto com as imagens abaixo -- que ilustram situações que para muitos é algo... "normal".

As imagens abaixo mostram que a desconstrução da ideia de que esse tipo violência (física e psicológica) sofrida pela mulher é provocado -- única e exclusivamente -- por ela. Você julga uma mulher pelo tamanho da saia que ela usa? Então repense...

E compartilhe: #ChegadeSilêncio!









Um comentário:

  1. Na minha forma de pensar todo mundo é responsável sim por tudo que acontece com ela, mesmo que inconsciente... não é somente o tipo de roupa ou comportamento, vai muito além disso, acredito que carmas, vidas passadas, nível de evolução, lei da atração, psicológico, mente negativa e outros mil fatores influenciam para que certas coisas aconteçam com a pessoa... Acredito que "você está onde se põe" ... pode ser uma pessoa super culta, inteligente, que se veste de modo comportado e mesmo assim sofrer um estupro pois a matemática da Universo leva a certos resultados que a maioria das pessoas não compreendem...e não é somente na questão do estupro mas em tudo que acontece na vida da pessoa, tanto as coisas boas quanto as ruins... Acho que as pessoas que sofreram esse tipo de violência precisam sim de ajuda e atenção por parte de toda sociedade e governo, mas nem por isso devem se sentir "coitadas", precisam resgatar a força interior (que mal sabem que existem) e dar a verdadeira volta por cima, em alguns casos muitas se transformam de tal maneira que nunca imaginariam antes, ficam mais fortes e nada as abala, e não se tornariam assim se não tivessem sofrido. Bom, esse é só meu ponto de vista...abraços!

    ResponderExcluir