sábado, 29 de agosto de 2015

O GRITO DO SOLITÁRIO - café filosófico com historiador Leandro Karnal


VÍDEOS INTERESSANTÍSSIMOS... 
Sou fã do professor, historiador 'Leandro Karnal' (UNICAMP). Ele me prende, fascina porque tenho uma sensação que ele me entende e vice-versa. É uma relação amistosa de completude. Embriago com suas divagações, retórica, seus pensamentos. É muito bom!

REALIDADE VIRTUAL SE SOBREPONHA 
A REALIDADE REAL

Hamlet é o anti-facebook e eu também.















Leandro Karnal (São Leopoldo1º de fevereiro de 1963) é um historiador brasileiro, atualmente professor da UNICAMP na área de História da América. Foi também curador de diversas exposições, como A Escrita da Memória, em São Paulotendo colaborado ainda na elaboração curatorial de museus, como o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo. Graduado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e doutor pela Universidade de São Paulo, Karnal tem publicações sobre o ensino de História, bem como sobre História da América e História das Religiões.






2 comentários:


  1. Obrigada pela dica, adorei, ja virei fã dele também! rsrs
    Não tenho smartphone, parei no modelo de teclas, não adquiri um porque pra mim, até o momento, é totalmente desnecessário. Lembro bem de quando começou a “bombar” os smartphones, faz pouco tempo, 2012 ...todo mundo estava comprando seus novos celulares, o impulso por comprá-los era simplesmente supérfluo. Não comprei um smartphone, não tinha necessidade disso, o meu está funcionando perfeitamente e cumprindo com seu papel que é fazer e receber ligações, sempre tive essa tendência de ir contra os modismos, nunca gostei de fazer o que todo mundo faz. Nessa época eu ainda não imaginava esse cenário que temos hoje, lamentável, e assim me sinto muito feliz por não ter adquirido um.
    Hoje as pessoas se assustam quando digo que não tenho um smartphone e muito menos Whats App, me olham com uma cara estranha, acho que ficam chocados.
    Nesses 3 anos desde o “boom” dos smartphones, não participando desse modismo, eu me tornei uma grande observadora dessa mudança de comportamento das pessoas, me surpreendendo cada vez mais. As pessoas não olham mais nos olhos, não se concentram nas conversas e quando conversam são somente assuntos fúteis, vagos, geralmente assuntos que estão rolando nas redes sociais, vídeos mais vistos do YouTube...Nos encontros físicos, entre amigos, familiares, em restaurantes, bares, etc, a maior parte do tempo é gasto olhando somente em seus smartphones em vez de olharem entre si. Na fila do banco, esperando o ônibus, todos estão olhando para seus aparelhos, ninguém olha ao seu redor. Puxa, eu nunca me senti entediada esperando na fila ou no ponto de ônibus, eu até gosto de curtir esse momento, fico observando o que está acontecendo, vendo a rua, as pessoas, tudo, eu realmente gosto de observar todos os detalhes ao meu redor, me sinto viva, e sinto muita pena por essas pessoas ficarem so olhando para seus aparelhos, desperdiçando suas preciosas vidas.
    Aproveito pra indicar uma reflexão interessante sobre o futuro dos celulares:
    Os telefones celulares, tal como os conhecemos hoje, vão desaparecer
    http://brasil.elpais.com/brasil/2015/08/18/tecnologia/1439918462_506077.html


    O Facebook eu achei que seria uma ótima ferramenta pra trocar idéias, divulgar coisas boas, eu gostava de postar informações úteis às pessoas, mas de uns 2 anos pra cá desisti, raramente posto alguma coisa pois ninguém vê, percebi exatamente isso que o Leandro Karnal fala no primeiro video, as pessoas so estão preocupadas em postar suas coisas e não tem interesse nem tempo de ouvir os outros, o único interesse dentro do Facebook é postar fotos, ver fotos, ver piadas, e vídeos rápidos de 2 minutos no máximo. É realmente um desperdício, tem tanta COISA BOA pra ser divulgada e aprendida pelo Facebook e a maioria não quer saber.
    Enfim, enquanto tudo isso acontece continuarei aqui observando...
    Abraços!
    Paula

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paula bom dia!

      Eu também não tenho Smartphone. Não tenho necessidade disso. Agora o meu face é um lugar que eu me interajo bastante. Tenho muitos amigos dos quais eu gosto. Mas a frequência eu tenho diminuído este ano.

      Somos duas pessoas parecidas neste sentido de buscar conteúdo e profundidade em textos e nas relações.

      Abraços,
      Roberta Carrilho

      Excluir